Casa do Cavalinho

Esta antiga casa, que apelidei de “Casa do Cavalinho”, é uma daquelas pequenas joias que gosto de fotografar. Parece ter parado no tempo. Ao entrar, sente-se que é uma casa com história, que deverá ter sido habitada até 2000 (com base nos documentos que encontrei). O exterior está em muito mau estado, com bastante mato. É daqueles locais que ao passar na rua pensamos que por dentro deve estar completamente destruída, sem recheio, mas por vezes a aparência exterior pode enganar.

A casa pertencia a um casal, o marido morreu e a senhora ficou a viver sozinha na casa. O casal teve uma filha e um filho. Existem cartas que o filho enviou aos pais durante o período em que esteve no exército e também existem documentos sobre um divórcio envolvendo a filha. Leva-me a pensar que durante o período de divórcio, a filha se mudou novamente para casa dos pais e por esse motivo as cartas eram enviadas para esta morada. A filha esteve emigrada em França e durante esse período teve um filho (encontrei o cartão escolar da criança).

Não consegui saber mais informações sobre a história da casa ou dos seus habitantes, mas acho que as fotos conseguem transmitir a vivência dessas pessoas e de certa forma contar a sua história. Estas fotos já têm alguns meses, vi fotos mais recentes deste local e infelizmente já não está bem como nas fotografias. Este tipo de lugares está em constante mudança, normalmente para pior e é por isso que é importante não relevar as localizações, protegendo estes locais de furtos ou vandalismo.

André Ramalho

Sou um apaixonado por fotografia e locais abandonados, e por isso resolvi criar este blog, com o intuito de partilhar os meus registos e aventuras.

7 thoughts on “Casa do Cavalinho”

  1. Que interessante a imagem e as suas histórias. O ano passado estive numa casa em férias onde estava uma estatueta do homem com uma espingarda igual a esta da imagem. Uma ideia original o tema do blogue.
    Parabéns

  2. Excelente trabalho!! Espero que sirva para que esses lugares sejam recuperados!! E ainda que isso não aconteça, pelo menos são dados a conhecer com a dignidade que merecem. É como se estivesse de alguma forma a reanimá-los. Parabéns!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *