Casa do Cavalinho

Esta antiga casa, que apelidei de “Casa do Cavalinho”, é uma daquelas pequenas joias que gosto de fotografar. Parece ter parado no tempo. Ao entrar, sente-se que é uma casa com história, que deverá ter sido habitada até 2000 (com base nos documentos que encontrei). O exterior está em muito mau estado, com bastante mato. É daqueles locais que ao passar na rua pensamos que por dentro deve estar completamente destruída, sem recheio, mas por vezes a aparência exterior pode enganar.

A casa pertencia a um casal, o marido morreu e a senhora ficou a viver sozinha na casa. O casal teve uma filha e um filho. Existem cartas que o filho enviou aos pais durante o período em que esteve no exército e também existem documentos sobre um divórcio envolvendo a filha. Leva-me a pensar que durante o período de divórcio, a filha se mudou novamente para casa dos pais e por esse motivo as cartas eram enviadas para esta morada. A filha esteve emigrada em França e durante esse período teve um filho (encontrei o cartão escolar da criança).

Não consegui saber mais informações sobre a história da casa ou dos seus habitantes, mas acho que as fotos conseguem transmitir a vivência dessas pessoas e de certa forma contar a sua história. Estas fotos já têm alguns meses, vi fotos mais recentes deste local e infelizmente já não está bem como nas fotografias. Este tipo de lugares está em constante mudança, normalmente para pior e é por isso que é importante não relevar as localizações, protegendo estes locais de furtos ou vandalismo.

André Ramalho

Sou um apaixonado por fotografia e locais abandonados, e por isso resolvi criar este blog, com o intuito de partilhar os meus registos e aventuras.

10 thoughts on “Casa do Cavalinho”

  1. Que interessante a imagem e as suas histórias. O ano passado estive numa casa em férias onde estava uma estatueta do homem com uma espingarda igual a esta da imagem. Uma ideia original o tema do blogue.
    Parabéns

  2. Excelente trabalho!! Espero que sirva para que esses lugares sejam recuperados!! E ainda que isso não aconteça, pelo menos são dados a conhecer com a dignidade que merecem. É como se estivesse de alguma forma a reanimá-los. Parabéns!!

  3. Dá para imaginar tantas vidas através destas fotografias, que deixam transparecer memórias, experiências, sentimentos, um sem fim de histórias para contar.
    Adoro este tipo de espaços pela nostalgia e pelo potencial de escrita que eles proporcionam.

  4. Parabéns André! Tive conhecimento do seu blog, através da partilha de uma colega, acerca da sua reportagem fotográfica da escola de Anadia. Trabalhei lá há cerca de 18 anos. Já na época era uma escola a necessitar de obras. Mas aquilo que pude ver através das suas fotos deixou-me triste…Creio que está e outras escolas mereciam restauro e cuidado, nem que passassem a ter outra utilização. Sugiro que venha fotografar também a outra escola, a Secundária de Anadia. Nessa fui aluna e soube que até os antigos livros de ponto foram deixados á mão de vândalos. Contêm fotos, registos, que creio deveriam ser preservados! Quanto às casas que tem fotografado, devo dizer que são surpresas para mim, pois desconhecia a existência de locais abandonados e de fácil acesso, com tanto recheio! Tem fotografado coisas lindas! Sou apaixonada pelo que é de outras eras e as suas fotos alimentam essa paixão! Parabéns!! Uma pergunta, por diversão: nunca sentiu receio das supostas assombrações? Sabe que estas casas têm sempre histórias associadas, que o imaginário popular alimenta… 🙂 Há uma casa em Ovar que se diz não permitir demolição nem presença de humano algum, por tão assombrada que está, ehe! Não creio em assombrações, mas admito que estratégia só em alguns espaços, possa sugestionar… Olhe, tente essa casa de que falei! Chamam-lhe a Casa Amarela e fica mesmo á beira da estrada nacional, perto de umas fabricas abandonadas, que creio pertencerem ao mesmo dono. A cada fica quase de frente para o Pingo Doce. Li sobre ela aqui na NET e sempre que viajo para o norte, divirto-me a olhar para ela e a lembrar a história macabra que lhe associam… lol Maus uma vez, parabéns e obrigada pelo que faz e partilha connosco!

  5. Desculpe algumas gralhas, mas este telefone corrige palavras automaticamente, nem sempre escrevendo o que pretendo…lol Creio que a mensagem é perceptível, ainda assim…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *