Convento do Monfurado

Num fim-de-semana de passeio por Évora com a minha namorada e um casal amigo, consegui tirar um tempinho e visitar o Convento de Nossa Senhora do Castelo das Covas de Monfurado, também conhecido como Convento do Monfurado.

O nevoeiro era intenso, a chuva também, mas a vontade de chegar ao local era maior ainda. Infelizmente, já no local, constatei que o teto da nave central tinha desabado, fiquei espantado com o tamanho do edifício e também pelas pinturas que ainda existem no interior. Percorri o convento de cima abaixo, passei pelo claustro, cripta e pelos quartos dos monges.

O convento foi fundado no início do séc. XVIII por um grupo de eremitas que viviam na Serra de Monfurado. Habitaram primeiramente em cavernas e abrigos, que na verdade foram minas romanas que se localizam nas proximidades do atual monumento, onde se isolavam do mundo e dos pecados que os tentavam.

Baltasar da Encarnação foi um monge, que pelo exemplo da sua conduta conquistou fama e merecida simpatia em todo o Alentejo. João de Vilalobos e Vasconcelos (nobre descendente do morgado da vizinha Torre do Carvalhal) resolveu ceder a Baltasar e aos restantes eremitas algumas terras na encosta da serra, para edificarem uma residência comunitária, que acabaria por tomar o nome de Convento de Nossa Senhora do Castelo das Covas de Monfurado.

A primeira missa foi rezada em 1738, mas o edifício sofreu muitos estragos com o terramoto de 1 de Novembro de 1755. Foi reconstruído e em 1834 foi abrangido pelo Decreto da extinção das ordens religiosas tendo passado para as mãos de privados. Teve, no entanto, culto até ao início do século XX e as casas que o circundam foram habitadas até aos anos 80 do século XX.

O Convento situa-se numa propriedade particular, que tem algum gado à solta e está classificado como imóvel de interesse público. Foi uma aventura molhada, mas muito positiva. Já tinha este local assinalado para visitar há vários anos e fiquei feliz por finalmente ter conseguido fotografá-lo.

André Ramalho

Sou um apaixonado por fotografia e locais abandonados, e por isso resolvi criar este blog, com o intuito de partilhar os meus registos e aventuras.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *