Grande Sanatório do Caramulo

Durante vários anos tive os Sanatórios do Caramulo na lista de locais abandonados para visitar, provavelmente até foi um dos primeiros lugares que adicionei à minha lista. Finalmente o ano passado desloquei-me lá, visitei todos os sanatórios abandonados tanto por dentro como por fora, e consegui comprovar o estado avançado de degradação que todos eles apresentam.

Para quem não conhece a história do Caramulo e dos seus sanatórios sugiro este artigo do Público, onde é contada de forma bastante pormenorizada. Mas resumindo um pouco, o Caramulo foi muito mais do que uma belíssima serra Portuguesa. Numa altura em que a tuberculose era um verdadeiro problema em Portugal, Jerónimo Lacerda levou a cabo uma verdadeira revolução na vila, transformando-a na mais afamada estância sanatorial da Península Ibérica.

A 800 metros de altitude, a vila chegou a ter em funcionamento 19 sanatórios, e foi a primeira vila do País a dispor de saneamento básico e electricidade. O maior e mais antigo sanatório foi o “Grande Sanatório”, que abriu as portas em 1922 e antes disso era um hotel. O controle clínico de todos os sanatórios construídos posteriormente competia ao corpo clínico do Grande Sanatório. Aberto todo o ano, oferecia “telégrafo, telefone, ascensor, aquecimento central, cinema, salão de festas e direcção clínica”.

A erradicação da tuberculose, na década de 70, ditou o abandono gradual do Caramulo e dos seus Sanatórios. Alguns sanatórios foram recuperados e utilizados para outras funções, mas sendo o Caramulo um local tão pequeno e isolado é natural que nem todos eles possam ser re-aproveitados.

Dos 19 sanatórios que existiram, um deles foi reaproveitado como hotel, alguns foram transformados em casas de habitação, outros em lares para idosos, e um recebe doentes com problemas psiquiátricos. Três foram demolidos e os restante encontram-se ao abandonado.

Foi uma tarde bastante interessante, até encontrei outros aventureiros com interesse por locais abandonados. Estava no interior deste sanatório a tirar algumas fotos, e vejo passarem três jovens no exterior. Por umas portas com vidros partidos acabaram por meter conversa comigo perguntando por onde tinha entrado, expliquei e depois perguntaram-me se tinha algum blog ou canal no youtube e referi este meu projecto, e eles prontamente disseram que conheciam, o que de certa forma me deixou um pouco vaidoso pelo reconhecimento.

Vou lançar fotos dos sanatórios separadamente, e pensei que a melhor maneira seria começar pelo maior. Em baixo seguem algumas fotos do “Grande Sanatório”, não fotografei todas as salas porque considerei que não havia interesse.

André Ramalho

Sou um apaixonado por fotografia e locais abandonados, e por isso resolvi criar este blog, com o intuito de partilhar os meus registos e aventuras.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *